A dor no ombro tem impactado na sua vida?

Meu nome é Vander e sou fisioterapeuta pela UFSCar. Este estudo faz parte do meu projeto de doutorado. Junto à parceiros do Laboratório de Avaliação e Intervenção do Complexo do Ombro da UFSCar, desenvolvemos este estudo para o tratamento de pessoas com dor no ombro

Do que se trata este estudo?

A dor no ombro é uma das maiores queixas de dor e perda de função na população. O tratamento fisioterapêutico é efetivo para o tratamento da dor no ombro. Uma maneira de se levar o tratamento fisioterapêutico aos pacientes é através da telereabilitação.

Este estudo busca comparar os resultados de um programa de exercícios terapêuticos para o ombro realizado a partir da telereabilitação com o mesmo protocolo sendo realizado presencialmente. Dessa forma, alguns dos nossos pacientes serão tratados e acompanhados por telereabilitação com o auxílio de uma ferramenta de prescrição de exercícios domiciliares via web, enquanto outros receberão o mesmo tratamento presencialmente.

Por que participar?

Você receberá um tratamento gratuito de doze semanas com frequência semanal de dois dias. Ao final do tratamento, mesmo que não sinta mais dor, haverá orientação a respeito de como lidar com a dor, como realizar movimentos com o braço da forma mais adequada e quais exercícios você deve fazer com assiduidade para melhorar a dor e restaurar a função completa do seu ombro.

Os resultados deste estudo ajudarão os clínicos a entenderem se existem diferenças entre a telereabilitação e o tratamento presencial para a dor no ombro. Dessa forma, sua participação neste estudo ajuda também a outros pacientes com dor no ombro.

Quem pode participar?

A pesquisa possui alguns critérios de participação. Buscamos pessoas dentro deste perfil:

  1. Entre 18 e 60 anos. Temos um outro estudo se você possui mais de 60 anos.

  2. Dor no ombro (no local da imagem ao lado) há pelo menos 3 meses

  3. Se você desse uma nota para essa dor no ombro entre 0 (nenhuma dor) e 10 (pior dor possível), ela seria no mínimo nota 3

  4. Não ter tido fratura, cirurgia ou luxação no ombro

  5. Não ter dor significativa na coluna cervical

  6. Não ter sensação de formigamento ou dormência que irradia para o braço e mão

  7. Não ter ombro congelado ou doença sistêmica que afete as articulações (exemplo: fibromialgia, artrite reumatoide)

  8. Não ter realizado tratamento fisioterapêutico nos últimos 6 meses

Além destas características, o interessado deve possuir disponibilidade para realizar os exercícios duas vezes por semana durante 12 semanas e completar os questionários enviados de maneira online durante o período do estudo.

Sua dor deve estar nessa localização.
Fonte: Freepik

Como participar?

Se você se encaixa nos critérios de participação acima, entre em contato comigo com uma mensagem por WhatsApp no número (16)99734-8105

Após receber sua mensagem, vou lhe perguntar sobre cada um dos critérios de participação.

Se você se encaixar neles, agendaremos uma avaliação presencial no Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Nessa avaliação, que dura em torno de 50 minutos, vamos nos apresentar e falar sobre sua dor, suas expectativas com o tratamento e sobre o funcionamento da pesquisa.

Algum tempo depois você receberá, na sua casa, um questionário online que leva em torno de 30 minutos para ser preenchido.

Após o preenchimento deste questionários, você será alocado de forma aleatória para um tratamento por telereabilitação ou para um tratamento presencial, no Departamento de Fisioterapia.

Se possuir dúvidas, fique à vontade para enviar um e-mail para o endereço vandergava@estudante.ufscar.br